top of page

ANPC SE POSICIONA SOBRE RETIRADA DE OUTDOOR QUE EXPÔS PROTESTO CONTRA O DIRETOR DA CEPLAC



No último final de semana a ANPC- Associação Nacional dos Produtores de Cacau, utilizou outdoors como meio de divulgação, para expressar a indignação da associação perante a gestão do atual diretor da CEPLAC, Waldeck Pinto, o qual ao longo dos seus três anos a frente da instituição atuou de forma contrária aos interesses do produtor, buscando direcionar medidas e ações que beneficiassem um único lado da cadeia produtora do cacau, a indústria, deixando o produtor enfraquecido e submisso as regras impostas por ela, uma vez que, sem assistência técnica, previsão de safra e com vulnerabilidade na legislação. A ponta da cacauicultura se apresentou, durante estes ultimos anos, a mercê de preços à baixo do custo de produção e da insegurança fitossanitária, esta segunda sendo motivo de grande parte da revolta da ANPC, diante ao descaso do MAPA/CEPLAC perante ao que representa a IN 125 para a cacauicultura.


Alvo de polêmica e discussão ao longo da semana, o outdoor da ANPC que levou a frase “Pelo futuro do cacau e futuro da CEPLAC, FORA WALDECK, você é nocivo a cacauicultura”, instalado na BR- 415, em frente da sede da CEPLAC, a associação, de forma direta e objetiva, buscou instigar os lados do sistema e por meio deste ato, tornar evidente, de qual lado cada um dos elos da cadeia se encontra.


Para a presidente da ANPC , Vanuza Barroso, o objetivo foi alcançado, uma vez que além do outdoor ter sido removido de forma inesperada, evidenciando o incômodo que o ato provocou para o sistema, também obrigou o posicionamento escancarado de alguns elos da cadeia do cacau, que usavam o discurso pró cacau, a se manifestarem em favor dos seus aliados.


Em nota, a presidente da ANPC, respondeu aos manifestos apresentados a favor do diretor ceplaquiano. Leiam:


“Acompanhei os posicionamentos a respeito do protesto feito ao diretor Waldeck da CEPLAC pela diretoria da ANPC. Diretor este que durante sua gestão tratou os produtores de cacau com descaso total. Em nossa primeira reunião ao cobrar os papéis ligados à importação de cacau, a primeira resposta dele ao nosso pedido foi: “Quer fiscalizar o MAPA?”, e outras reuniões vieram e as respostas sempre foram de descasos e ironias para com as nossas demandas. Fora suas ações claras e objetivas para facilitar as importações de cacau:


1- Retirada da previsão de safras. Como o governo irá controlar a necessidade de cacau que produzimos se não há mais essa previsão? Com essa medida ele quis beneficiar a quem? A nós produtores?


2- Nunca se manifestou contra a IN125. Pois se entrar uma doença ou praga africana, qual o órgão de pesquisa e ciência que temos para nos ajudar? Fora que quanto maior a oferta, menor é o valor, né? Lei da oferta e da procura. Portanto, esse posicionamento dele é no mínimo omisso ao produtor de cacau.


3- Recentemente tentamos modificar a burocracia da Política do Preço Mínimo e após o preço ter subido ele se reúne com a CONAB para cobrar menos burocracia. Porque não o fez antes? Porque num primeiro momento não cobrou e até acionou este órgão para os produtores? Ele é governo. Nós não somos.


4- Moniliase um grande terror para o produtor de cacau. O que este fez? Soubemos que tardiamente ele tomou providências.


5- Retirou profissionais gabaritados e com expertise de décadas que faziam a classificação de cacau importado no porto de Ilhéus e passou a cargo de empresa privada. Para beneficiar a quem? A nós? Ou seja, hoje a indústria paga pela classificação de amêndoas de cacau. Quem tem o controle disso? Empresa privada para empresa privada. Quando isso deveria ser uma obrigação do governo.


6- Retirou a assistência técnica.


Enfim, caros cidadãos do cacau, eu se fosse a indústria faria muito mais do que uma simples reportagem a favor do sr. Waldeck, afinal, “esse diretor vale uma mina de ouro” . E claro, tem ainda aqueles que entre nós (produtores) o aplaudem. Respeito! Pois, o pensar diferente é normal numa sociedade. Mas quero também que respeite o protesto de quem enxerga um sistema armado contra o produtor de cacau.


Quanto a derrubada do outdoor, o nosso objetivo foi alcançado. Nossa missão foi cumprida claramente na reportagem publicada no Mercado do Cacau, titulada ANPC REFORÇA APOIO AO TRABALHO DO MAPA e CEPLAC, a indústria ao elogiar as ações desse diretor e do MAPA mostra claramente gratidão a estes.


Grata.


Vanuza Barroso

bottom of page